Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Dom | 02.10.16

As birras dos 2 anos e as minhas lutas matinais com a Lara

[caption id="attachment_4433" align="aligncenter" width="680"]02Birra Birra[/caption]A Lara tem 28 meses, uma irmã de um mês e muita personalidade.Para além disso tem um pai alérgico a gritos e uma mãe com uma paciência muito limitada. Eis a receita perfeita para manhãs muito loucas e barulhentas.Eu sou mesmo muito impaciente, sempre fui.Todavia, desde que engravidei da Lara (ou desde que desejei engravidar) que fui trabalhando esta minha característica. Quando a Lara nasceu, algo se alterou em mim. Nunca, em toda a minha vida, julguei possível ter tanta paciência como tenho. Com a minha filha, terei sempre toda a paciência que conseguir, e nem é um esforço. Simplesmente, ela é uma das pessoas de quem mais gosto no mundo e é impossível não ser o melhor que puder com ela.Esta paciência que a Lara me ensinou a ter, estende-se naturalmente a outras áreas da minha vida. Posso afirmar que fiquei mais calma e paciente com a vida.Mas existem excessões. Várias. E, as manhãs de birras da Lara, fazem parte dessas excessões.Sou totalmente a favor da disciplina positiva, sei que temos que ser empáticos com as crianças e tentar perceber os seus sentimentos quando gritam e esbracejam com uma birra. Sei (e sinto) que temos que ser parte da solução e não do problema, que os adultos somos nós e que, em vez de bater ou gritar, devemos distraí-los com outras coisas e tentar acalmá-los durante as birras. Sei muito bem isso tudo. Mas, às vezes, não dá.Nunca batemos à Lara e tento ao máximo não gritar com ela. Nunca falei com ela de forma agressiva ou descontrolada. Nunca lhe chamei nomes ou agredi seja de que forma for. No entanto, às vezes  gostava de conseguir fazer melhor.Às vezes deixo-a sozinha a pensar na vida (quando está a fazer uma birra) e afasto-me durante um minuto ou dois. Muitas vezes obrigo-a a fazer o que ela não quer, segurando-a com força, resultando disso uns minutos de baba e ranho e muito choro e gritaria.Explico-lhe sempre a razão das coisas e o porquê dela ter que fazer algumas coisas que não quer. Nem sempre explicarei da melhor maneira e com a paciência que devia. Sou mãe, mas também sou humana. E estou longe, muito longe, da perfeição.Decidi escolher as minhas lutas com a Lara. Se ela chora porque não quer um vestido, deixo-a vestir o que quiser, desde que não coloque em risco a sua saúde indo demasiado desagasalhada para a escola por exemplo. Se chora porque não percebemos o que ela quer dizer, explico-lhe que não entendo e, perante os gritos e choros incontroláveis, às vezes afasto-me um minuto ou dois até ela se acalmar (não sem antes tentar acalmá-la eu).Agora, existem coisas em relação às quais não cedo. Para além do óbvio que é não brincar com objetos perigosos, não beber álcool ou comer porcarias, e não ser agressiva com os outros, há outras situações em que a opinião da Lara conta pouco. Se não quer medir a febre, mede na mesma, o supositório coloca na mesma e os dentes serão lavados todos os dias de manhã e à noite quer queira, quer não. Claro que tento convencê-la de uma forma calma mas, de manhã, quando o pai tem que ir trabalhar e tem um horário a cumprir depois de a levar para a creche, não há tempo para ficar uma hora a convencê-la a lavar os dentes. Então é vê-la a gritar como se não houvesse amanhã enquanto lhe lavo os dentes.Claro que a Lara faz birra por alguma razão mas nem sempre, entre a correria de preparar as coisas de manhã, conseguimos ter a sensibilidade para perceber qual é essa razão. Assim, acabamos por não conseguir corrigir o que a chateia e evitar todo o stress e frustração que se segue.Eu e o Milton colocamos a família acima de tudo. Não trocamos por trabalho nem por nada os momentos em que estamos todos juntos mas, temos que trabalhar e há horários a cumprir. Ora essa, todos temos que comer. E, apesar de todas as teorias de disciplina positiva que li e com as quais concordo, ainda não consigo resolver as birras matinais em tempo útil, sem usar alguma força.Se alguém souber, por favor que me elucide. Preciso mesmo muito de exemplos práticos porque estas manhãs têm sido de loucos.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.