Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Qua | 24.03.21

Confinamento round #3

aprender os animais 1.jpg


As escolas fecharam outra vez. É a terceira vez desde o inicio da pandemia.
Agora, em princípio, será por 3 semanas.

Estou a encarar isto com um otimismo desconcertante.

Explico porquê: 

1- No primeiro confinamento era tudo muito novo e assustador. Não fazíamos ideia nenhuma de como iria ser e temíamos que fosse um caos. Foi um caos. Mas nós aguentámos heroicamente. Da minha parte não foi muito heroicamente porque coloquei assistência à família e estive mais dedicada aos miúdos, enquanto o Milton trabalhava fora de casa a tempo inteiro.

2- Como o primeiro confinamento correu melhor do que esperava, fui cheia de mania para o segundo, achando que era "canja". Não foi. Desta vez estava em teletrabalho, com os 3 em casa e o Milton a trabalhar fora.
Foi infernal.
No trabalho, havia muita flexibilidade, tenho sorte. Mas eu sentia que tinha que produzir, sentia a obrigação (completamente auto imposta) de produzir sempre que possível e isso não deu nada certo.
Eventualmente, não estava a 100% nem a trabalhar, nem com os miúdos, e a culpa caía em cima de mim com toda a pujança, principalmente em relação aos miúdos. Eles ficavam a ver televisão ou a comer bolachas para eu ter as reuniões e acabava por estar sempre a correr de um lado para o outro, sem lhes dar a atenção devida e sem estar a sentir grande realização com o trabalho. E a Lara, desta vez, já estava com aulas do 1º ano, o que não acontecia na primeira vez. Foi  a pior fase de todas. 

3- Agora estou convencidíssima de que possuo todo o conhecimento e experiência necessários para fazer com que isto corra da melhor maneira possível. Eu e o Milton decidimos que vamos dividir isto entre os dois. Por mais importante que seja o trabalho dele, concordamos que a minha sanidade mental também tem alguma relevância para o bem estar de todos. Assim, um de nós trabalha inteiramente de manhã ou de tarde, enquanto o outro se dedica inteiramente às crianças, trabalhando na outra metade do dia.

Posto isto, partilho convosco o que estou a fazer para tudo dar certo. Já estamos no terceiro dia e até agora estamos felizes e satisfeitos:

- Faço Yoga e medito todas as manhãs. Faço 15 minutos ou 30 minutos, conforme a hora a que acorde. Isto é mesmo essencial para que o resto do dia corra bem.

- Para trabalhar, saio de casa. Vivo num T2 pequeno e, mesmo com auriculares e fechada no quarto, a produtividade é sempre afetada por estarmos todos em casa. Vou trabalhar para a biblioteca e é ótimo.

- Quando estou no trabalho, foco-me inteiramente no trabalho. Quando estou com os miúdos, foco-me inteiramente neles. Se precisar, trabalho mais depois deles irem dormir, mas esforço-me para não ter que o fazer. O descanso também é importante. Felizmente, no trabalho tenho metas semanais e consigo organizar-me bem assim.

- Faço listas de atividades, de livros para ler, de ementas semanais e de tudo e mais alguma coisa, para não ser apanhada desprevenida com as lides domésticas.

- Tento manter a casa sempre arrumada. Isto é essencial para conseguir pensar e existir. cama feita, loiça lavada e chão livre de brinquedos ou outros objetos.

Como estão vocês por aí (vocês dos Açores, já que no continente, felizmente, estão a desconfinar)?

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.