Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Qui | 30.07.20

Cor de pele

IMG_7169.jpg


Há uns tempos a Lara pediu-me um lápis cor de pele para pintar o desenho de uma menina num livro de colorir.

Fiquei bastante surpreendida porque, tanto quanto me podia lembrar, nunca tinha ouvido tal coisa. Nem em criança, nem em adulta.

Expliquei-lhe porque não era correto chamar cor de pele a um lápis.

Hoje foi a vez da Maria.

Pega num lápis bege e refere-se a ele como cor de pele.

"Maria, esse lápis não é cor de pele."

Diz ela: "Claro que é."

Pego num lápis azul e pergunto-lhe se aquele lápis é cor de flor (apercebo-me agora que terei que ter outra conversa sobre o cor de rosa e o cor de laranja).

A Maria olha para mim com um ar meio intrigado, meio aborrecido e eu continuo a explicar-lhe que existem lápis azuis, roxos, vermelhos, amarelos, pretos, castanhos, verdes, beges, etc. 

Existem flores de várias cores por isso não dizemos que um lápis é cor de flor porque isso não seria verdadeiro. Da mesma forma, existem peles de várias cores (dei o exemplo de várias pessoas que conhecemos, entre amigos e familiares), por isso seria incorreto chamar cor de pele a uma única cor.

Acho que ela percebeu.

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.