Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Sex | 07.05.21

Desafio dos Pássaros 3.0

Foi o que puvi

 

pexels-mbardo-5294000.jpgFoto daqui.


Ela não me disse isso claramente.  Não o afirmou, mas é como se o tivesse feito. Plantou a semente da incerteza, da dúvida e do mal-estar. Não era um mal-estar derivado das suas palavras, era algo anterior a isso e anterior à chegada dela.


Eu não confiava nela. Desde a sua chegada que tentava minar a minha relação com as outras raparigas que ali trabalhavam. Falava mal delas constantemente e tenho a certeza de que também lhes falava mal de mim.

Mas eu queria agarrar naquilo. Estupida e cobardemente, eu queria agarrar naquilo. Queria fazer crescer em mim aquela semente de incerteza, agarrar-me a uma pontinha de verdade, acreditar verdadeiramente que as minhas colegas de vários anos gostariam de ver a recém-chegada a substituir-me.

Trabalhava ali há quatro anos.
Tinha passado horas inteiras naquele corredor cheio de lojas de roupa para crianças, numa loja que vendia roupas cheias de folhos, laços e sapatinhos de veludo. Não gostava. 

Tinha lido livros inteiros atrás daquele balcão, colocava música eletrónica depois das 23 horas e desenvolvi conversas e relacionamentos que haviam de mudar completamente a minha vida.

Estava farta. Estava amenamente farta. Estava com uma inquietude passiva, sem avançar nem recuar…  Então, dava-me mesmo muito jeito acreditar no que a rapariga nova estava a insinuar. As minhas colegas e amigas gostariam de me ver pelas costas, apercebera-se ela.

Não acreditei. Mas resolvi ganhar um pouco de maturidade e fazer alguma coisa.

Comecei a procurar outro emprego.
Fui a muitas entrevistas, nem me lembro já para que cargos e para que empresas.  Estava quase sempre nervosa, insegura. 

Um dia, deixei de querer saber. Deixei de me preocupar. Continuei a ir a entrevistas, desta vez sem qualquer nervo, nem grosso, nem miúdo.

Fui entrevistada por um senhor de barba, um psicólogo, dono da empresa. Era uma empresa de testes psicotécnicos.

Durante a entrevista percebemos que tínhamos algo em comum: o gosto por cinema. Tivemos uma conversa agradável. Conversei com o dono da empresa como se conversa com um tio de quem gostamos muito. O tema era bom.

Apertou-me a mão e disse: “Está contratada.”.

No dia seguinte, disse às outras raparigas: “Vou-me embora em 3 dias.”

Continuámos amigas.

Elas foram visitar-me ao novo emprego assim como,  mais tarde,  me foram visitar até ao outro lado do Atlântico, quando mudei de emprego e de vida, novamente.

Nunca mais ouvi falar na outra rapariga.

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.