Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Qui | 08.12.16

Hoje li as fitas da minha capa de estudante

fitas-de-estudanteConfesso, não tinha lido nenhuma ainda... E já lá vão 12 anos.Prometi a mim mesma que só leria as fitas quando tivesse um emprego espetacular e estivesse exatamente onde queria.Hoje, ao arrumar algumas coisas na sala, encontrei a capa e decidi sentar-me a ler todas as fitas.Se tenho um emprego de sonho?! Para umas pessoas sim, para outras não.Eu gosto muito do que faço. Gosto do meu local de trabalho, adoro a equipa e sou realmente feliz no trabalho. Se podia ser melhor? Podia pois. Principalmente a parte do salário. Podia (devia) ser mais justa. Mas não podemos ter tudo pois não?A vida nunca vai estar exatamente como queremos porque somos seres incompletos e queremos sempre mais. É normal.Por isso decidi ler as fitas hoje. Porque hoje, estou como quero. Não profissionalmente mas em geral. Estou bem. Estou mais do que confortável, estou feliz. De modo que resolvi ler as fitas, mesmo sabendo que tenho ainda muitos sonhos e muitos objetivos por cumprir.  Vou ter sempre e ainda bem que assim é.Gostei tanto de as ler!Algumas eram apenas textos de felicitações, de colegas com quem pouco convivi e que pouco conhecia.Mas muitas eram de pessoas muito especiais para mim (elas sabem quem são). De colegas que se tornaram amigas e com quem passei momentos muito especiais, com quem tive conversas maravilhosas sobre o tudo e o nada que é esta coisa de existir. Festas de estudantes, muitas noitadas mais agitadas e, sobretudo, muita alegria partilhada. Mantenho o contacto com a maior parte dessas pessoas, nem que seja pelo Facebook. Uma coisa é certa, sempre que as vejo, nem que tenham passado 10 anos ou mais, é como se não tivesse passado tempo nenhum.Gostei muito de ler algumas textos e ver o que pensavam as pessoas de mim. Algumas coisas não me surpreenderam e outras sim. A dada altura alguém disse que eu era misteriosa! Eu?!!!! Eu sou um livro aberto. ;)Existe uma pessoa com quem gostava de ter convivido mais. Uma rapariga que, parecendo que não, era demasiado parecida comigo para ocuparmos por muito tempo o mesmo espaço as duas.Eu gostava de pensar que ela era parva e metediça mas  na verdade admirava-a bastante. Ela era, de certa forma, uma versão muito mais velha de mim (embora tivesse apenas 2 anos a mais que eu). Gostava mesmo de ter sido mais próxima dela. Gostava mesmo. A mensagem que ela me escreveu na fita era tão franca, de uma frontalidade tão crua que quase tive vontade de a abraçar (o que na altura era completamente inusitado... ou talvez não, isto entre 5 cervejas e mais 5 cervejas nunca se sabe o que pode ter acontecido).Que saudades boas.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.