Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Qui | 20.01.22

Maria e o seu interesse pelo Salazar

IMG_7324.jpg


Apesar de grande parte das convicções que eu tinha sobre educação terem caído por terra depois de eu ter sido mãe e, automaticamente, bafejada com uma avalanche de realidade, algumas mantiveram-se:

- Faço um esforço consciente para ensinar os meus filhos a serem tolerantes e a não se sentirem inferiores ou superiores a ninguém;

- Tento que se habituem a comer bem e sem excessos;

- Ensino-lhes, sempre que surge uma boa oportunidade, as partes da história do mundo e de Portugal que considero mais relevantes para a construção daquilo que é, do meu ponto de vista, um bom carácter.

No outro dia, calhou trazer da biblioteca um livro sobre o 25 de abril, para crianças. O livro estava bem escrito e contava a história de uma forma percetível, mas de um ponto de vista específico, não sendo exatamente isento e factual.

Bom... acontece que o ponto de vista de quem escreveu o livro é exatamente igual ao meu, mais coisa menos coisa. Então aproveitei para contar a história do 25 de abril à Maria, inserindo alguns elementos muito pessoais, como a história da nossa família e a informação da existência de pessoas, na atualidade, com pontos de vista muito diferentes entre si e muito semelhantes aos do Salazar.

Devo ter dado tudo nesse momento porque a Maria parece ter-se interessado bastante pela figura do Salazar (e simpatizantes). Chamo a atenção para o facto de, apesar de revelar claramente os meus pontos de vista aos meus filhos, explicar-lhes claramente que viver em liberdade é, inclusivamente, viver com tolerância em relação a pontos de vista diferentes dos nossos.

Uma destas noites, em que estava a deitar a Maria e ela estava a começar a arranjar todo o tipo de motivos para adiar um pouco mais a hora de dormir, ela pede-lhe para lhe falar mais do Salazar. E "daquele outro senhor".

Achei imensa piada ao facto da Maria, entre tantos assuntos que podia ter escolhido, lembrar-se logo daquele. Algo que me diz que a Maria, não gostando do resultado das ações do Salazar, gostaria de usar os mesmos métodos para o contrariar. 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.