Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Dom | 21.10.18

Momentos vintage #1 O melhor pão do mundo

 

jasmin-schreiber-703325-unsplash.jpg

 

O pão de Ansião

 

 

O pão de Ansião, onde viviam os meus avós maternos persiste na minha memória como o melhor que já comi.

Na verdade, nunca havia muita fartura na casa deles, muito menos excessos, mas havia sempre um pão maravilhoso, margarina e às vezes um queijo de ovelha caseiro maravilhoso. Acredito que não sou a única a ter esta memória do pão da casa dos avós.

Os meus avós viviam numa pequena aldeia de Ansião, o Casal de São Brás, e os seus 8 filhos com as respetivas famílias costumavam juntar-se nas épocas festivas. Raramente iam todos ao mesmo tempo mas, como eram muitos, era sempre uma alegria ir a casa dos meus avós e poder estar com os meus primos, principalmente as minhas primas Margarida e Joana que têm idades mais próximas da minha.

À volta da casa, para lá do quintal, havia vegetação a perder de vista. Nunca soube onde é que acaba o terreno porque  por mais que andássemos, nunca chegávamos ao fim. Eram árvores de vários tipos e lagoas de quando em quando, o que fazia daquela terra um sitio mágico para as crianças que éramos.

Havia também muitas amoras saborosas, em arbustos cheios de picos que ladeavam o caminho. A Joana gostava muito de as comer, eu nem tanto. Costumávamos apanhá-las para fazer piqueniques em casa. E eu e as minhas primas e primos adorávamos passear por ali sempre que podíamos. Estávamos sempre a chatear os tios mais novos para rem connosco até que, chegámos a uma idade em que íamos sozinhas.

Depois haviam os almoços e jantares, feitos pelas mulheres da família (algo, felizmente, de outros tempos que agora mais depressa são os homens a cozinhar, o que fazem lindamente) que enchiam uma mesa comprida de gente e de conversas animadas.

E o pão, que comíamos ao pequeno almoço e lanche e que, mais tarde, já adolescentes nos servia de merenda quando regressavamos de madrugada a casa, depois de irmos sair à noite ao único bar dançante da região. Belos tempos!

Hoje continuo a gostar muito de pão mas nenhum me é tão saboroso como o de Ansião. O pão de Ansião era muito mais que pão para nos alimentar, era a certeza de estarmos com uma família grande, era o aconchego da união, o entusiasmo de estar com outras crianças a comer, a dormir, a brincar, a conviver e a fazer algumas asneiras, já se sabe. 

Posso dizer que o pão de Ansião representa o sabor que associo às minhas melhores memórias de infância.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.