Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Sab | 04.03.17

Porque é que os contos de fadas são tão horríveis?

Branca-de-neve-e-os-7-anões.jpg

 


Ler livros às minhas filhas, principalmente à mais velha de 3 anos, é uma das nossas atividades preferidas. Vamos à biblioteca com muita frequência e, utilizando os cartões de sócio de todos, trazemos sempre 9 livros de cada vez.

 

Não há dia em que não leia um ou mais livros à Lara. Mas tenho uma grande dificuldade: os conteúdos das histórias.

 

Confesso que não gosto dos Contos de Fadas tradicionais, apesar de ter crescido com eles e, tanto quanto me lembro, gostar deles quando era pequena.

 

Agora que tenho filhas, tento analisar bem o conteúdo das histórias que lhes leio, para perceber se aquilo lhes vai acrescentar alguma coisa à inteligência ou, pelo menos, ao humor.

 

E o que é que encontramos nas histórias clássicas:

 

Capuchinho Vermelho

Lobos que comem meninas e avozinhas, que só se safam se o animal for morto, e meninas que atravessam uma floresta perigosa sozinhas.

Não quero ensinar às minhas filhas que isto dos animais é: ou nós ou eles e que há que matá-los para nos safarmos. Isto sem mencionar a negligência daquela mãe que envia a miúda pela floresta sozinha. Está bem que no tempo em que a história foi criada isso era mais do que razoável mas, nos dias de hoje, não se aplica.

 

Bela Adormecida
Nem é preciso falar muito. Uma rapariga fica à espera do beijo de um príncipe que não conhece de lado nenhum para acordar para a vida? Isto é só o contrário do que quero ensinar às miúdas.

 

Branca de Neve
Portanto a mulher – Branca de Neve – é a criada dos anões porque eles trabalham fora de casa. Os homens a trabalhar e as mulheres em casa a limpar. Really?

 

João e o Pé de Feijão

Aqui os negócios da família são da responsabilidade da criança da casa – ele é que vai vender a vaca- e a história acaba bem porque o miúdo se lembra de assaltar o ogre que vivia no cimo do pé de feijão.
Espetacular: se te queres safar na vida rouba o próximo. Nada mais adequado para ensinar aos miúdos.

 

E podia continuar aqui a falar de dezenas de histórias semelhantes.

 

Então o que é que eu leio à Lara?

 

Tento encontrar histórias simples, que reflitam de alguma forma as suas vivências atuais, ou leio livros com histórias muito diferentes e criativas que podem ter moral ou não, mas são engraçadas sobretudo pela diferença em relação às outras.

 

Na última vez que fomos à biblioteca trouxemos um muito giro: A rainha das cores.

É uma forma muito engraçada de explicar as emoções, usando as cores como metáfora, num livro graficamente muito apelativo e bem humorado.

De momento, este é um dos meus preferidos, por ser completamente diferente das histórias habituais e usar as cores como personagens cheias de vida e personalidade.
Acho que seguir esta linha nos próximos livros de histórias que trouxer.

 

Podem obter mais informações sobre o livro clicando na imagem.

 

 

 

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.