Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Sex | 28.05.21

Sobre o Bullying: Todos nós somos responsáveis

 



Bullying, outra vez.

Uns dizem que a culpa é da escola. Outros dizem que a culpa é dos pais. Há quem diga que não é culpa de ninguém, só dos miúdos, que são maus e cruéis. Curiosamente, também há quem diga que a culpa é da vítima.

Dizem que se resolve com uma tareia, com um castigo exemplar, com conversa, com psicólogos, com a intervenção da polícia.

Pelo menos alguns destes pensamentos já terão passado pela minha cabeça também. Já fui alvo de bullying (poucos terão a sorte de dizer que nunca foram), já presenciei atos de bullying sem fazer nada e a rezar para que não se voltassem para mim,  em criança tive a sorte de ser defendida algumas vezes, noutras nem tanto. Em adulta, curiosamente, também já tive colegas que me defenderam perante injustiças. Já tentei defender pessoas de agressões, em adulta, e já presenciei muitas coisas feias feitas por adultos a outros adultos e por adultos a crianças sem que ninguém parecesse importunar-se muito com isso.

Penso que as coisas poderiam começar a tornar-se diferentes se não assistíssemos impávidos e serenos a agressões verbais, a tentativas de humilhação e menosprezo de adultos a outros adultos. Quantas vezes vemos um empregado de restaurante ou de supermercado a ser humilhado por um superior hierárquico sem nada dizermos (mea culpa). Quantas vezes vemos colegas a ser desvalorizados e descredibilizados injustamente, sem nada fazermos? Quantas vezes suportamos várias formas de assédio ou desrespeito gratuito sem fazermos o que devíamos fazer, só para não nos chatearmos (mea culpa, também).


Como disse anteriormente, já tive vários pensamentos sobre isto. Provavelmente terei ainda muitos diferentes. Hoje, penso que existiria menos violência se fossemos todos menos tolerantes com atos que não são apenas "coisas parvas". Todas as tentativas repetidas de rebaixar o próximo são actos de violência e por isso, parece-me claro, devem ser intoleráveis. 

Não sei bem por onde se começa a trabalhar nisto, mas creio que é urgente educarmos mais e melhor para a empatia, para nos importunarmos com a dor de outro ser humano. Temos que nos educar para não tolerarmos qualquer tipo de agressão contra nós.

Temos que deixar de normalizar atos de humilhação. Não são brincadeiras idiotas, não são inocentes e não são desculpáveis. Nunca.  Muito menos quando são adultos a praticá-lo, mesmo à frente dos nossos olhos.

Este texto é para mim também.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.