Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Qui | 17.06.21

As nossas conversas #14

Purpurina
De manhã, a caminho da escola dos miúdos, reparo que está um polícia numa mota, à frente do nosso carro.  Pergunto ao Milton: "O que achas que está dentro daquelas saliências laterais que o polícia tem na mota?" Responde ele: "Vassouras e esfregonas. Para o polícia limpar a cidade do crime." É isto.  
Qua | 28.04.21

Maria #50

Purpurina
Costumo fazer exercício físico, seguindo uns vídeos no Youtube. Os vídeos têm músicas animadas e os miúdos acham graça a fazer os exercícios e dançar com eles. Estavam os 3 muito entretidos a abanar o corpo ao som da música, quando o Milton perguntou à Maria o que é que ela estava a fazer. Responde a Maria: "Estou a fazer exercício, para não usar bengala quando for velhinha."
Seg | 26.04.21

"Afinal a mãe não é assim tão má"

Purpurina
Desde que começámos os confinamentos,  que o meu tom de voz foi subindo uns decibéis, tão naturalmente que, de acordo com as minhas filhas, parece que estou sempre a gritar e até parece que dou "Bom dia!" a ralhar. Eu diria que elas é que estão demasiado sensíveis, mas não temos tido grandes formas de nos compararmos com outros humanos. Até ao último fim de semana, quando fomos até um parque infantil ao fim da tarde. Estavam as miúdas a andar de baloiço quando ouvimos, a (...)
Sex | 16.04.21

A Lara escreveu um livro de auto ajuda para a mãe

Purpurina
Para mim, portanto. Digamos que tenho uma personalidade ansiosa e um pouco controladora, o que me faz levantar a voz com facilidade e ter um toque nervoso na forma de falar, quando a coisa não está a modos de me parecer bem. Neste contexto, os meus filhos (em especial as raparigas) queixam-se um bocado e chamam-me "mãe gritona".  Em minha defesa afirmo que não costumo andar aos gritos com os miúdos por tudo e mais alguma coisa. Tenho é uma forma de falar algo acelerada e um ou (...)
Sab | 10.04.21

Eduardo #20

O diplomático

Purpurina
Tentamos ensinar os miúdos a negociar em vez de gritarem uns com os outros. Claro que nem sempre conseguimos evitar que se esbofeteiem como se não houvesse amanhã, mas vamos caminhando sempre no sentido da pedagogia. Ensinamos as miúdas a oferecerem ao Eduardo um brinquedo que possa interessar-lhe, sempre que quiserem algo com que ele esteja a brincar. Claro que também  as ensinamos a conversar, a pedir educadamente, etc , mas convenhamos que oferecer algo para troca encurta em (...)
Qua | 31.03.21

Eduardo #19

Purpurina
A situação é a seguinte: Estou sentada no sofá com o Eduardo, a chamar-lhe a atenção por ter estado a pular no sofá. E o que é que ele faz, esta formiga com 2 anos e meio? Encosta a cabeça para trás, fecha os olhos e começa a ressonar, fingindo que está a dormir.
Sab | 27.03.21

Eduardo #18

Técnica para adormecer um menino de 2 anos, nada interessado na sesta

Purpurina
Eduardo, 2 anos e 7 meses. O Eduardo nunca quer dormir a sesta. Temos que o adormecer ao colo.  Se o Milton o consegue adormecer sentado, eu só consigo com ele  ao colo, em pé, a andar de um lado para o outro. É como fazer pesos no ginásio durante uns 15 minutos, com sorte. Estava eu com o Eduardo ao colo, ele a espernear por todo o lado, a dizer que não queria dormir e a dificultar-me muito a tarefa. Começo rapidamente a pensar numa técnica para domar aquele ursinho, que (...)
Seg | 22.03.21

Eduardo #17 ou "Apetite Madrugador"

Purpurina
O meu filho Eduardo tem 2 anos e meio e é um grande comilão. Para nossa alegria, claro. Se ele pudesse passava o dia a comer: pão, bolachas, bananas e papas de aveia.  Acorda todos os dias entre as 6 e as 6h30 da manhã e a primeira coisa que diz é: "Quero comer papa de aveia." É isto todos os dias, sem exceção. Sempre a mesma frase e o mesmo pedido para o pequeno-almoço. Numa destas noites, acordou às 5h00 da manhã a pedir para comer papas de aveia. O pai, que o foi (...)
Qua | 14.10.20

Maria #45

Os idosos

Purpurina
Recentemente, a professora da Maria falou sobre os idosos na sala de aula.  Vestiu-se de velhinha e deve ter interpretado o seu papel com tanto talento que a Maria ficou bastante impressionada. Desde então faz-me muitas perguntas sobre os idosos. Quem são os idosos, quais as suas características, se eu conheço idosos, e por aí fora. No outro dia, estávamos a vir da escola a pé, quando uma senhora de bengala e cabelo branco (por acaso, idosa) saiu de um autocarro e ficou a (...)