Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Sab | 25.06.16

Toda a verdade sobre a evolução das mamas

evolução das mamas

 

Atenção que esta história da evolução das mamas é uma questão muito pessoal e cada mulher é diferente e única. O que aconteceu comigo pode acontecer com muitas outras mulheres e ser totalmente diferente com tantas outras. Não se pode generalizar.

 

Mas, não resisto a contar como aconteceu comigo.

 

É mais ou menos isto:Antes de engravidar da minha filha de 2 anos tinha uma mamas pequenas mas simpáticas.

 

Quando engravidei, fiquei com umas mamas três vezes mais simpáticas. Senti-me maravilhada, sexy e cheia de vontade de andar de biquini. No Inverno é que não dava muito jeito.Três dias depois do parto, aquando da subida de leite, fiquei com duas rochas do tamanho de bolas de futebol no lugar das ditas cujas.

 

Caramba! Parecia um mix de Pamela Anderson com uma culturista mamalhuda. Não gostei nada.

Passou tão rápido como apareceu.

 

Nos primeiros meses da amamentação continuei com umas grandes e redondinhas mamas mas, nessa altura, as mamas serviam apenas para aquilo para que foram criadas: amamentar. Qualquer atributo estético ou erótico das mesmas desapareceu da minha mente.

 

Com o decorrer da amamentação, cerca de 6 a 8 meses depois do início, há uma mama que trabalha mais que a outra o que leva à imagem 3. Comigo foi assim mesmo. Uma mama 4 vezes maior que a outra. Isto já me começou a incomodar esteticamente. Se tivesse as mamas maiores, se calhar não se notava mas o facto é que tinha uma mama copa A e uma mama copa D.

 

Resolvi isso com um enchimento de silicone que usava no soutien mas, mesmo assim, ainda se notava a diferença.Depois da amamentação, as mamas transformaram-se numas coisas pequeninas e murchitas. Bem, como são pequenas, não me ficaram a bater nos joelhos nem nada disso mas... depois de meses de mamas magníficas, custou-me um bocado vê-las a ir andando de fininho.

 

De modo que, depois de amamentar a minha segunda filha, pensarei com carinho num silicone. Pensando nisso ocorre-me que aquela ideia de fazer barrigas de gesso não é tão tola quanto isso (Perdoem-me as apreciadoras das barriguinhas de gesso mas nunca apreciei a ideia de ter uma escultura dessas a enfeitar a sala de estar).

 

Podia aproveitar para fazer umas mamas de gesso agora (que estou grávida e, consequentemente, com a medida esteticamente ideal) e mostrar ao médico exatamente o que pretendia.

 

Não preciso de ser uma Pamela Anderson nem tenho a aspiração de andar a passear as mamas por aí à fresca mas gostaria de me sentir muito melhor de biquini e, de vez, em quando, poder usar vestidos e tops sem ser com aqueles soutiens que são autênticas bolas de espuma. Estão a ver aqueles que parece que já vêm com as mamas lá dentro?

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.