Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Qua | 10.03.21

Um dia típico #1

A maratona matinal

running.jpg


É de manhã, os miúdos estão na escola e está um lindo dia de sol. Abro as janelas dos quartos para arejar a casa. Ahhhh que ideia genial!

Na minha mente forma-se a bonita imagem de um estendal cheio de roupa a secar.

Neste sentido, agarro no cesto de roupa que deixei a lavar de noite (para poupar eletricidade) e sinto um calor imenso.  Volto a casa para deixar o casaco e, mal ponho os pés fora do apartamento, sinto a porta a fechar-se atrás de mim com estrondo.

Do outro lado da porta, as minhas chaves, no bolso do casaco.

Antes de entrar em pânico, olho à minha volta, e penso no que posso fazer com o que tenho. 

Eis o meu pensamento, passo a passo:

1) Tenho um corpo. Bato com ele contra a porta. Não abre. Decido desistir deste método antes que a coisa vá longe demais.

2) Não tenho telemóvel, por isso não telefono a ninguém. 

3) Posso tentar pedir um telemóvel emprestado a um vizinho ou a um desconhecido e ligar ao Milton para me vir abrir a porta, mas não me apetece chatear ninguém, nem tirar o Milton do trabalho.

4) Penso mais um bocado. Não sei escalar paredes lisas, não sou assim tão boa no salto em altura e vivo num andar relativamente alto, por isso essa também não é uma opção.

5) Penso ainda com mais força (de manhã e em jejum não é fácil). Decido, então, estender a roupa enquanto medito na situação. Assim como assim, há que aproveitar o sol e por a roupa a secar. 

6) Já a estender a roupa, com o sol a iluminar-me as ideias, tomo a decisão mais acertada.

7) Decido fazer uma caminhada em passo rápido até à casa dos meus sogros, que vivem do outro lado da cidade. Sempre faço algum exercício, apanho sol e converso um bocadinho com a minha sogra. 

E assim foi. Enquanto orava para que estivesse alguém em casa, aproveitei muito bem a caminhada, conversando comigo mesma, como faço sempre.

A minha sogra estava em casa, tivemos uma agradável conversa de 5 minutos e ainda cheguei a tempo de apanhar parte da reunião matinal no trabalho.

E não chateei ninguém, que é sempre o melhor de tudo.

De uma situação potencialmente aborrecida uma pessoa fez o que pode para melhorar o dia. O exercício físico e o passeio já ninguém me tira. 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.